quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Resenha #26 - Éros

Postado por Diarios De Leitura - quarta-feira, outubro 02, 2013 - com 2 comentários
Ficha técnica


Título: Éros
Autor: Ralph Willians
ISBN: 9788579845147
Páginas: 119
Ano: 2013
Editora: Livre Expressão



Resenha

Alex é um garoto sonhador, imaginativo e alegre, que recebe a visita de um índio lhe pedindo auxilio para combater um mal que assola seu povo. O problema é que esse índio, chamado Zuli, mora em outro planeta e para Alex chegar até este desconhecido, deve sonhar e atravessar um portal que irá surgir no sonho. Chegando neste novo lugar, Alex se vê num mundo cheio de maravilhas e belezas abundantes, porém Zuli lhe explica os problemas com sua tribo e nosso protagonista se empenha em ajuda-los.

Com o problema resolvido de uma forma relativamente simples, Alex pede a seu novo amigo que lhe apresente este novo mundo, ele quer ver o lugar mais bonito que ali existe. Com isso em mente eles partem em uma viajem para uma cascata que se localiza em uma distante montanha. O problema central da história começa quando numa floresta os dois amigos avistam um cristal que é o coração do planeta. Alex o toca por um impulso e contamina a pedra com todo o mal que um ser humano pode conter e o planeta começa a se degenerar. Com isso os dois amigos e novos aventureiros vindouros devem buscar água sagrada e limpar o coração do mal em uma aventura que os levaram até os confins do mundo de Éros.

Este livro apresenta diversas mitologias e seres fantásticos, seria muito interessante essa diversidade se o livro não fosse pequeno, muitos dos seres apresentados possuem uma passagem muito rápida e não recebemos nenhuma explicação sobre eles. Um dos maiores problemas que temos com esse exemplar são as diversas passagens corridas, certos pontos dos livros são explicados, como acontece com a protetora do mundo de Éros, Safira, mas a explicação acontece de uma maneira muito conveniente, nada é uma grande descoberta no livro, as coisas simplesmente estão lá. O autor se empenha em causar surpresas ao leitor, mas a “magia” não ocorre devido à maneira simples que elas são apresentadas.

Falando em Safira, ela é o conceito de Deus ex Machine em pessoa, qualquer problema que ocorra com os personagens nunca é resolvido pelo esforço deles, sempre Safira irá aparecer ou fazer alguma coisa que solucione os problemas mais graves. Os personagens perdem seu crescimento com isso, eles se tornam estáticos, todos possuem a mesma personalidade.

O personagem principal, Alex, comete “burradas” ao longo do livro todo, deixando o leitor muito nervoso, porém o que não ajuda muito é o fato de os outros personagens aparentarem não levar isso em conta, eles comentam sempre que ele fez isso, causou aquilo, mas no momento seguinte estão entregando a ele armas e objetos que devem resolver os problemas que Alex causou e em seguida ele causa mais algum desastre. Faz algum sentido você deixar objetos e informações valiosas com pessoas que só estragam tudo? Existe um momento em que Alex e Zuli conversam sobre Deus, pois Zuli não sabe o que é Deus, isso é algo interessante, possuímos duas culturas diferentes que se encontram, mas ela foi explorada de uma maneira que Alex parece estar fazendo uma pregação para converter Zuli, algo que poderia ser muito mais complexo se resumiu apenas a isso.

O mundo de Éros é o conceito melhor explorado pelo autor, ele possui locais bem colocados, temos uma noção de sua distância pelo tempo de viagem que os personagens levam para chegar aos seus destinos. Outra coisa que não me agradou foi o uso de águias gigantes como táxis magico, têm o poder de tele transporte que também é muito utilizado no livro, isso faz com que todo o mundo que o autor está dispondo para o leitor, com suas diversas mitologias e mitos se perca, paisagens, animais, histórias, muitas outras coisas que poderiam ser descritas e ter feito desse mundo algo maior são ignoradas.

Caso você seja um leitor adolescente/adulto o livro possui vários problemas, o principal são os acontecimentos muito corridos e facilmente resolvidos, porém, caso o leitor seja uma criança, ele funciona, pois uma criança se importa mais com a ação e não com explicações de como tudo aquilo pode funcionar ou não. Caso você tenha até 12 anos, pode ler o livro sem problemas que provavelmente irá gostar. Como essa resenha representa a minha opinião, o livro é fraco, estória mal explorada e vários problemas de personagens. A mitologia de Éros poderia ser muito maior e detalhada, na capa consta que este é o primeiro volume, esperamos que o segundo nos apresente toda a complexidade deste mundo com uma grande história mais focada.





Boa Leitura.


Categorias: ,

2 comentários:

  1. Então deve ser um livro legal pra dar de presente no dia das crianças,
    adorei o blog,
    abraços
    http://www.historiaspossiveis.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, o livro possui características de conto de uma aventura com um fundo de conto de fadas, uma escolha para uma criança começar no mundo da leitura. Mas para adultos...

      Abraços
      Ricardo.

      Excluir